quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Seis anos de tudo e de nada

Amanhã, quando acordar, fará 6 anos que estou viva. Não é bem viva, viva, é mais ou menos viva, e até já um bocadinho morta. Uma parte de mim ficou-se por ali, naquele dia de agosto de 2008. Não tive mais um dia de felicidade pura e dura; não houve outro sem cancro, fosse por que razão fosse, nunca mais se fez esquecido, nunca mais saiu de mim.
Mesmo no quase ano e meio em que me deixou em paz, a paz nunca foi mesmo paz, a alegria nunca foi mesmo alegria, as noites nunca mais foram merecidos momentos de repouso pois nunca mais existiu verdadeiro repouso.  Foram seis anos de inquietude e sobressalto, de desilusões sucessivas e muito medo.

Também foram seis anos de amizades, de amor e de descoberta do verdadeiro valor da vida. Com sabor a tarde demais.
Pudesse eu, e num minuto, perdia a Lina e a Natália, a Madalena e a Teresa, a Estela e a Suzel, a Sandra e a Sónia, a Mari, a Ana ou a Carmo, entre algumas outras. Passava por elas na rua e não as conheceria, a vida não nos cruzaria. Uma perda terrível que só seria compensada pelas maiores das dádivas: poder reconhecer a felicidade de criar a minha filha (foi tão bom enquanto durou), sabê-la feliz e tranquila, sentir a paz e conseguir descansar de noite... Estou certa de que elas também prescindiriam de mim.

.



10 comentários:

Lina Querubim disse...

Conhecemo-nos pelo pior motivo mas no momento certo. Estava escrito que seria assim!
Odeio o cancro assim como tidas nós mas agradeço por nos ter apresentado. ..gosto muito de ti....já o disse muotas vezes!!! Love u 2

Madalena disse...

Querida Teresa! Só sei dizer isto: querida Teresa! A Teresa és tu e a outra palavra é mesmo o que és, para mim, para nós: alguém que quero, a quem quero e para sempre. <3

Teresa Marques disse...

Pois..fomos "apresentadas pelas razões erradas, mantemos a amizade pelas razões certas e certamente que preferia não termos tido um amigo comum, tão violento! Um agressor permanente à nossa tranquilidade, intrometido e desprezível! Deixava bem que ele não nos tivesse apresentado. Podia ter sido o acaso apenas a deixar-nos partilhar qualquer outra coisa..blogues de "odeio limpezas", por exemplo..sei lá..mas que não lamento ter-te conhecido, a ti e a todas as minhas queridas camelas, sim...não lamento! Um beijo minha querida pois serão 10 anos de escritas mais positivas que nos vão unir, sempre!!

Gatapininha disse...

Também gosto muito de todas, mas também queria que todas estivessemos saudáveis e uma para cada lado!!!

No entanto, no menos bom, podemos sempre procurar encontrar o melhor :) Foi o que nos aconteceu :)
kisses

jks

matamari disse...

Sabes... Foste a primeira pessoa que "conheci" com cancro. Foi através do teu outro blogue, através de ti, que me fui acalmando, ganhando coragem e descobrindo a melhor forma de percorrer o inevitável caminho. Aí, ainda não fazia ideia que ia poder ter a sorte de privar contigo, de ver ao vivo o que já intuía pelo que escrevias, de perceber que és mesmo, mesmo, mesmo grandona, mas de carácter e de coração.
Mas sim, sacrificava-me e largava-te num segundo, se isso trouxesse a vida, vida de volta. És linda, TP grandona mai linda do mundo. E gosto muito, muito de ti. Desculpa tanta lamechice junta :D. Estou aqui. Ando aqui... E hoje eu mando um abraçaço...

Teresa disse...

Obrigada, querida Mada, sempre tão generosa no verbo e na vida...

Teresa disse...

Mil beijos, gémea alta! Tem sido muito bom ter-te conhecido, sem dúvida.

Teresa disse...

"Odeio limpezas" parece-me muito bem :-)

Teresa disse...

É isso: procurar o melhor!! Beijo grande

Teresa disse...

És uma ganda maricas, Mariana. Obrigada por tanto exagero, sabe bem... :-) Outro abraçaço, amiga!